Arquivo da tag: cotidiano

Chove chuva

Choveu muito nas últimas semanas aqui em Divinópolis. O tempo estava muito seco e precisávamos mesmo de um pouco de água.

A gente tem a “mania” de desejar que chova, mas quando isso acontece também não deixamos de reclamar. Molhar a roupa, suja os calçados, fica difícil de sair, … Continue lendo

Anúncios

A Rua da Feira

Todos a conhecem como “Rua da Feira”. É uma referência da região. “Fica ali perto da rua da feira, sabe onde é?”, “Rua da feira? Ah sim… agora eu me lembrei!”. Alguns dizem que fica num bairro, outras, em outro. Mas no sábado, bem cedinho, pela madrugada, a rua começa sua transformação até se tornar um lugar especial pra não dizer encantado.

Banana, flores, mamão, tomate, couve-flor, cheiro verde, pêssego, batata, alface, rúcula, couve, beterraba, abacaxi, melancia, morango, mandioca, brócolis, laranja, limão, kiwi, ameixa, repolho roxo, verde, quiabo, vagem, nabo, alecrim, arnica, gengibre, ovos, camarão, sardinha, roupas, cds, dvds, churrasquinho, guaraná, abobrinha, chuchu, jiló.

Pano de prato, ração, bolo, biscoito, suco de laranja, cebolinha, salsinha, alho, almeirão, rabanete, hortelã, louro, fruta-do-conde, ovos de codorna, cebola branca, roxa, pimentão verde, amarelo, vermelho, frango assado, queijo, maxixe, jabuticaba, cenoura, maçã, pêra, uva, batata frita, melão, espinafre, mostarda, pepino, berinjela*, pastel, garapa.

Movimentos, vozes, gestos, cheiros e encontros. Sacolas, carrinhos, balança, barracas, lonas, bancos, caixotes, caixas, calor, suor, passos, pernas, pés, braços, mãos, corpos inclinados, perguntas, respostas, sorrisos, risadas, versos, conversas, xepa e algo mais. Depois, tudo é desfeito, guardado, vira silêncio de carros, passantes, moradores, vizinhança, fim de semana.

*berinjela ou beringela

Espera cotidiana

UM – Olá! E aí, como vai?

OUTRO – Tudo bem e você?

UM – Eu? Beleza! Correndo atrás… trabalhando muito… e você?

OUTRO – Também! Dois empregos! Pra pagar as contas…

UM – Nossa! Quanto tempo!

OUTRO – Perdão… é meu celular…

UM – Tranquilo…

OUTRO – Alô… sim… tô chegando… tchau

UM – Então… quanto tempo…

OUTRO – É mesmo. Muito! Casou?

UM – Já. Agora, são os filhos! Pequenos ainda, sabe? Muita responsabilidade…

OUTRO – É… sei como é… tenho sobrinhos. É diferente, mas dá pra sentir um pouco…

UM – Meu Deus! Nem sei quanto tempo tem que a gente se viu!

OUTRO – É… jovens ainda.

UM – Cheios de sonhos…

OUTRO – Deixa eu ver o número do ônibus… hum… ainda não é o meu…

UM – Quanta coisa a gente ia mudar, né?

OUTRO – é… fez faculdade?

UM – Nada! Somente aquele técnico mesmo!

OUTRO – Eu comecei, mas parei… corrido demais!

UM – é… muito mesmo! Mora no mesmo lugar? E sua mãe? Tá boa?

OUTRO – Tá ótima! Moro com ela ainda.

UM – Ah… isso é bom! E tá indo pra onde agora?

OUTRO – pro trabalho… e você?

UM – pra casa… é…

OUTRO – bom, acho que é meu ônibus… É sim… a gente se vê…

UM – tá bom… um abraço, hein? Dá um abraço na sua mãe!

OUTRO – tá… valeu… abraço…

UM – depois te ligo ou você me liga… a gente se encontra…. tchau.


%d blogueiros gostam disto: